O Sangue dos Vampiros - clique aqui

O Sangue dos Vampiros - clique aqui
conheça mais sobre o livro O Sangue dos Vampiros - 2017

Livro Luar de Sangue da autora Dione M. S. Rosa

Livro Luar de Sangue da autora Dione M. S. Rosa
Livro que pode ser adquirido diretamente com a autora - clique no banner para conhecer o blog da autora.

domingo, 4 de outubro de 2015

Fator Montese - Parte 6 - Vampiros e Cavaleiros



Fator Montese
Parte 6


A visão estava embaçada. Algumas luzes apareciam rapidamente. Aos poucos, os ruídos aumentavam. O Cavaleiro sentiu o cheiro das árvores. Por algum momento ele achava que tinha finalmente voltado ao seu castelo. Ele queria se vingar do Edgar. Imaginava jogar o seu corpo do topo do castelo. As luzes. Homens lutando. O Cavaleiro levanta a sua espada para se defender enquanto se recupera. Tudo ainda era um mistério. Um dos homens o segura por trás. Ele pede para matá-lo. O cavaleiro sente a presença de muitos homens se aproximando. Com apenas um pensamento sua espada se transforma em uma lança de duas pontas. Perfurando os homens que estavam por perto. Alguns gritam e começam a atirar. O Cavaleiro vê um vulto passar por ele e absorver o impacto das balas. Eram armas de fogo. Ele não estava no seu tempo. Ele não estava em seu castelo. O Cavaleiro se irrita por estar em um mundo tão violento. Grita por ser amaldiçoado. Grita por não estar em seu castelo. Um vulto se aproxima. Seus olhos eram vermelhos. Ele pede calma, mas o cavaleiro transforma a sua lança em uma corrente e enrola no pescoço dele. 
— Onde estou? Que lugar é esse?
— Agora você está seguro. Não vamos atacá-lo. Podemos ajudá-lo. Tenha calma cavaleiro.
O Cavaleiro agora estava com os seus sentidos normais e podia ver que aconteceu. Muitos soldados no chão mortos. Havia ali, um homem de olhos vermelhos e mais duas mulheres. Ele solta o homem e ordena.
— Responda minha Minha pergunta homem dos olhos vermelhos. Aonde estou? 
— Você está no Palácio do Governo na cidade de são paulo. Alguns homens armados apareceram por causa de um aparelho e você apareceu com eles. Isso os confundiu e começaram a atirar. Eu matei alguns e você matou quase todos com sua arma impressionante. Mas relaxe cavaleiro. Eu sou amigo. Eu sou Neculai. 
— Eu sou o Cavaleiro Valente. Então eu não voltei para o meu reino. 
— Fique tranquilo Valente. Fique ao meu lado. Certamente eu poderei ajudá-lo. Você tem uma arma interessante. Não parece ser deste mundo. 
— Ela funciona muito bem. Por isso, fique distante dela. Entendeu. 
— Tudo bem! Ha Ha Ha. Somos Amigos. Quero apenas ajudá-lo. 
— Afaste-se. Você é um Vampiro. Não somos amigos. 
— Os vampiros mudaram um pouco. Não sou aquelas criaturas que só pensam em se alimentar. 
— Vampiros são vampiros. Invejam a humanidade e usam a sua eternidade para escravizá-la e dominá-la. 
— Neculai não é assim. 
— Quem é você?
— Meu nome é Alicia Zoom. Eu sou amiga dele. Tenho acompanhado tudo que ele esta fazendo. Ele será presidente deste país um dia. Tenho certeza, 
— Homens deixando-se dominar ao ponto de eleger um ser que se alimenta de sangue? Que mundo louco é esse que estou?    
— M-mas...
— Não diga mais nada! Neculai! Você já provou que seu poder em manipular este mundo é forte. Me dê agora um motivo para não acabar com sua existência. 
— Eu o invejo cavaleiro. Você veio com armadura enquanto eu apareço sem roupas. A sua maldição não foi tão terrível assim. Ha Ha Ha. Mas vamos aos detalhes. Eu venho através deste aparelho que chamo de celular. 
— Eu já visitei está época. Sei bem o que isso é. Então eu apareci por causa deste aparelho junto com estes soldados?
— Sim! De alguma forma você foi trazido junto com os saldados. Se eu conseguir recuperar o Ritual Montese. Talvez eu possa descobrir como você veio e com o meu conhecimento posso ajudá-lo a voltar para o seu reino. 
— Como disse? Então você pode me levar de volta para o meu mundo? Então você pode me ajudar?
— É claro Valente. Um homem mau pegou este ritual e quer destruir o mundo e nós como heróis devemos impedir que isso aconteça. Temos de derrotar o homem mau. 
Valente pega a espada e coloca a ponta no pescoço do Neculai e o ameaça.
— Tente falar comigo como se eu fosse uma criança novamente e eu corto a sua cabeça. Você sabe que a minha arma pode destruí-lo. 
— Foi só uma piada. Ha Ha Ha! Cadê o seu humor Valente? 
— Chega Neculai! Eu o acompanharei, mas se eu perceber que está tentando me manipular...
— Calma Valente. Ha Ha Ha. Você está tenso. Vamos relaxar. Vou levá-lo para casa. Alicia Zoom! leve o nosso cavaleiro para a minha casa. Vou mandar uma mensagem para os nossos amigos e todos podemos nos encontrar. 

Neste momento o Lord Dri chega ao local. 

— Todos os soldados mortos. Vocês fizeram um bom trabalho. Quem é este cavaleiro?
— Este é o Cavaleiro Valente ele veio por engano, junto com os soldados, pelo celular.
— Isso deve ter deixado você bem frustrado não é Neculai? Ele aparece de armadura e você pelado.
— Você também é um vampiro? 
— Me chame de Danny Ray. 
— Não mereço um mundo cheio de vampiros e soldados loucos. E o pior é que conforme a maldição, só posso sair daqui morto. 
Lord Dri sorri e responde:
— Eu posso resolver isso rapidinho.
Neculai levanta as mãos e fala calmamente: 
— Senhores. Vamos para casa. Temos muito o que conversar. 



Continua...



Adriano Siqueira
Postar um comentário

Banner deste blog

Banner deste blog
Contos de Vampiros e Terror

  ©CONTOS DE VAMPIROS - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo